top of page
Buscar

SIMDE presente em Seminário "Combate ao Brasil Ilegal", em Brasília


Da esquerda para direita: Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira, Ricardo Lewandowski, Ricardo Alban e Carlos Erane de Aguiar.

Nesta quinta-feira (18/04), um seminário intitulado "Combate ao Brasil Ilegal" foi realizado na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília, onde a nota técnica “Brasil Ilegal em Números” foi apresentada ao Ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, que, em seu pronunciamento, afirmou estar impactado com os números apresentados. O documento, elaborado pela CNI, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), detalha as perdas econômicas significativas causadas por atividades ilegais, que totalizaram R$ 453,5 bilhões em 2022.


A maior parte deste prejuízo, cerca de R$ 136 bilhões, é atribuída à evasão fiscal, dinheiro que deixou de ser arrecadado pelos governos e que poderia ser utilizado para melhorar o bem-estar social. O levantamento também destacou que o Brasil deixou de gerar quase 370 mil empregos formais em 15 setores distintos, incluindo áreas como audiovisual, bebidas alcoólicas, celulares e cosméticos.


Carlos Erane de Aguiar

Fizeram uso da palavra os anfitriões Ricardo Alban, Diretor da CNI, Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira, Presidente da Firjan e Carlos Erane de Aguiar, Diretor-Presidente do Sindicato Nacional das Indústrias de Materiais de Defesa (SIMDE), Vice-Presidente da Firjan e Diretor Titular do Departamento de Defesa e Segurança da FIESP, representando o Presidente da Fiesp, Josué Christiano Gomes da Silva. Durante a abertura, o Diretor-Presidente do SIMDE destacou a importância de enfrentar essas atividades ilegais que não apenas drenam recursos da economia, mas também prejudicam a concorrência leal, a estrutura pública, a segurança, o mercado de trabalho e o bem-estar da população. Ele ressaltou que as cifras apresentadas na nota técnica são um chamado à ação para que os governos intensifiquem os esforços no combate a essas práticas, visando um futuro mais justo e seguro para o país.



Carlos Frederico Queiroz de Aguiar

Carlos Frederico Queiroz de Aguiar, Diretor do SIMDE, Diretor Adjunto do

Departamento de Defesa e Segurança da FIESP, e Presidente do Conselho Empresarial da FIRJAN, também se manifestou sobre os desafios enfrentados: "O que me traz aqui é a intenção mais básica, de entender em que país estamos vivendo, e para onde estamos indo. A questão que estamos combatendo aqui, o Brasil ilegal, afeta a todos nós, afeta o direito de ir e vir, afeta o cidadão das classes mais baixas até os cidadãos mais poderosos, porque os reflexos do ilegal são enormes.".


O seminário contou com a participação de diversas autoridades, incluindo Andrei Rodrigues, diretor-geral da Polícia Federal; Robinson Sakiyama Barreirinhas, secretário especial da Receita Federal; os secretários de Segurança Pública e da Fazenda do estado do Rio de Janeiro, Victor Santos e Leonardo Lobo, respectivamente; e Emerson Kapaz, presidente do Instituto Combustível Legal. O evento foi dividido em três painéis, focando no dano fiscal do Brasil ilegal, nas ações integradas de inteligência e planejamento, e na defesa do estado e da concorrência.




Imagens: Gilberto Sousa/CNI




74 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page